16 de mar de 2011

UM

Pensei em me abandonar tantas vezes mas nem morta me escapo, vou comigo para o caixão
O passado me irrita, o presente me dá preguiça, aprecio só o futuro porque não preciso vivê-lo
O inacabado me aviva pois é preciso vida para terminar
A minha frieza as vezes me assusta, me basto tanto
A minha quentura também me assusta, te amo tanto
Tenho medo de perder a liberdade de me manter presa


Um comentário:

  1. OLÁ FERNANDA... PASSEI PARA DESEJAR UMA ÓTIMA QUINTA FEIRA.

    ABRÇS.
    BRUNO JP TEIXEIRA - O PORTUGA
    http://brunojpteixeira.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Permita um fragmento seu escorrer até suas mãos e então escreva