4 de mar de 2011

SOU O PAR DO AMOR QUE NÃO ME AMA

Recomeço todos os dias o meu fim
O baile prossegue ininterruptamente, os pares vão dançando e se trocando
As mascaras, enquanto nas mãos, mostram o riso, quando no rosto escondem as lágrimas
Dancei no terraço com o meu amor que não me ama
Procurei tanto seus olhos durante a dança, encontrei apenas suas mãos
Beijei seus lábios com paixão e senti apenas o gosto do meu amor
Toquei seu rosto com tanta devoção que acabei lhe ferindo com minha ternura, e me ferindo com minha emoção
Mas dancei, uma musica em uma vida
Sou bailarina de um só palco, sou bailarina de caixinha de musica a cabeceira da cama
Sempre a mesma musica, sempre a mesma dança
Sou o par do amor que não me ama

4 comentários:

  1. MUITO BONITO FERNANDA..
    TENHA UM ÓTIMO FINAL DE SEMANA.
    ABRÇS

    ResponderExcluir
  2. Genteeeeeee como você escreve bonito! Parabéns, traduziu tudo o que sentia.

    ResponderExcluir
  3. Lisonjeada com a visita de vocês, abraços

    ResponderExcluir
  4. Um dos meus textos prediletos, mas pela sua autobiografia. Nunca participei de um baile assim. Porque ainda não inventei um pra ir.

    Beijo.

    ResponderExcluir

Permita um fragmento seu escorrer até suas mãos e então escreva