15 de jun de 2010

JÁ PASSEI


Era um guarda chuva usado para amenizar a agressão da tempestade, assim que saia o sol era encostado na primeira parede e passava-se horas até todos os respingos de lágrimas secarem naturalmente.
Era como uma mão estendida no abismo, suada, doida de tanto fazer força para segurar-te, e quando menos esperava já estava você de novo a se arriscar na beira, seguro de que a mão estaria ali estendida o tempo todo.
Era como um estepe a garantir a segurança de sua louca viagem, hora rodando, hora guardado, pronto para todas as tuas emergências.
Eu era apenas isso, era, hoje eu sou... sou muito mais do que você julgava e enquanto eu sou, você era, era apenas alguém que eu ajudei mas que agora cansei.
Para que me contentar ser tão pouco para alguém que é tão pouco. Esqueça sou descartável para ti, não porque esteja no seu lixo, mas porque você não vai me usar nunca mais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Permita um fragmento seu escorrer até suas mãos e então escreva