1 de ago de 2012

ABAJUR DE TETO

E o amor é o único paraíso
Onde as cachoeiras gotejam lágrimas que passeiam disfarçadas por casacos de papel
Se adormece sob a luz do abajur dourado
Acorda-se pelo solstício de junho ao leste
Frutas de cera na bandeja
E corações de leite
Rasgados de unhas desembrulhando o desejo
Mistério das horas que todo dia se repetem sem nunca se repetir
Minutos filhos do mesmo tempo mas com diferentes digitais
Ver o passar da  00:00 hs é como casar-se com o  hoje e ser amante do amanhã 
E o amor é o único inferno











Nenhum comentário:

Postar um comentário

Permita um fragmento seu escorrer até suas mãos e então escreva