21 de mar de 2012

Sou poeta, escolho os amores errados
Se escolhesse os amores certos, não seria poeta, seria apenas um apaixonado
Vi o recomeço assassinar o eterno, entrei em estado de normalidade
O que chamam de amor, eu chamo de o conforto da repetição, não amamos as pessoas, mas sim a paz de já saber a quem amar
A linha do tempo não me deu forma, não me fez blusa, meia ou luva

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Permita um fragmento seu escorrer até suas mãos e então escreva