24 de nov de 2011

CORTINAS

A chuva é o pranto apaixonado de uma nuvem, que chora porque o vento não a deixou ficar parada sobre a paisagem que lhe despertou amor. É sorte da nuvem, o vento a salva do sofrimento de ver com o olhos, pois já basta o sofrimento de ver com o coração
As lágrimas não estão desaguando mais, elas ainda estão aqui, mas quando chegam aos olhos descobrem que por pedido do cansaço o sono trancou as portas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Permita um fragmento seu escorrer até suas mãos e então escreva