4 de jul de 2011

MERGULHOS NO SILÊNCIO


Sentimentos são abstratos, e eu sou poeta em vida, pintei meu quadro de amor com o toque dos meus dedos, compus uma melodia de paixão com o descompasso da minha respiração
Mergulhei no silêncio pois foi a única forma que encontrei para nadar nas águas intensas do meu sentimentos
Tentar dar forma ao amor, é como construir um trilho para a emoção, limitando os caminhos que ela tem que percorrer
É como apreciar uma paisagem inerte de um quadro
ou guardar as recordações mortas em cemitérios de papéis
e matar a saudade através do momento congelado de uma foto
A vida não é um labirinto onde estamos buscando uma saída para o paraíso, não há saída, pois não tem como escapar da vida vivo, mas as vezes encontramos dentro dela mesmo um paraíso que nos faz perder toda a vontade de sair
Somos tão vulneráveis, atingidos pelo dia que nos acomete ao esquecimento momentâneo, assombrados pela noite que ameaça com sua promessa de solidão, roubados pelo sono que anestesia as dores, iludidos pelos sonhos que oferecem esperança e lubridiam com significados insignificantes
A vida é uma valsa interminável, nossas feridas se abrem e se fecham no decorrer da dança, alternando dor e alivio


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Permita um fragmento seu escorrer até suas mãos e então escreva