8 de mai de 2011

Genuíno amor que comeria o fruto apodrecido caído ao chão com a mesma voracidade de quem o arranca vistoso do pé, esse amor não ama o gosto do fruto, ama a arvore. 


  


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Permita um fragmento seu escorrer até suas mãos e então escreva