11 de jan de 2011

TORRE

Tem tantas aqui dentro que conforme vou me refogando vez ou outra encontro uma desconhecida
Se a panela entornar me despejando crua no prato, temo que a aguá fervente queime a pele ou a rigidez do cru quebre os dentes
Não veio ninguém para o jantar, culpa minha que não liguei convidando, culpa sua que não demonstrou fome, melhor apagar as velas antes que a parafina do meu amor se consuma toda na chama da espera
A rapunzel vive solitária na torre, suporta o peso de sua trança na esperança que ela sirva de escada quando o principe vier visita-la, mas o principe não a visita, ele nunca nem foi ate a torre,  porque então ela não repica os cabelos, desce as escadas e vai ao encontro do principe. É que a rapunzel adora trança.
Vasculhar a solidão é seguro, mas sair dela pode provocar o encontro com intrusos que nunca supunhamos que existia, esses sim podem nos ferir.

Um comentário:

  1. Belo post.

    Tenha um ótimo dia.
    Abrçs.
    Bruno JP Teixeira - O Portuga
    ============================
    http://brunojpteixeira.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Permita um fragmento seu escorrer até suas mãos e então escreva