26 de ago de 2010

PRIVILÉGIO DA VIDA

Muitos tem uma vida difícil mas eu sou um privilegiado.
Se ai fora esta caindo uma tempestade eu aqui estou protegido, nenhuma gota sequer respinga em mim, o barulho dos trovões eu não escuto e nem o raios do relâmpago eu vejo.
Se ai fora esta soprando um vendaval eu aqui estou seguro, o vento não destroi nada, ele não venta e nem sussurra seus horrores.
Se ai fora esta castigando o frio eu aqui estou aquecido, minhas mãos não congelam, meus lábios não tremem, não sinto frio algum.
Se ai fora o sol exausta eu aqui estou descansando, a sombra me acolhe e me fornece o frescor da serenidade.
Se ai fora o barulho incomoda eu aqui estou dormindo em silêncio, a paz me envolve e eu não ouço grito algum apenas o cantarolar de alguns pássaros e o balançar das folhas.
Não sinto dor, não tenho fome nem sede, não tenho responsabilidades a cumprir, possuo todo o tempo do mundo sem nenhuma pressa para gastá-lo, não sofro por amor, não me atormenta nenhuma preocupação, desconheço o medo, não preciso de dinheiro, realmente é tudo perfeito eu sou um privilegiado.
Eu moro na Rua 23, da quadra 04, no jazigo 189.

Um comentário:

  1. Por vezes reclamamos da vida por simplesmente senti-la. E mesmo sentindo-a, resistimos à "inércia" perfeita da morte. Que belo contraponto, não?

    ResponderExcluir

Permita um fragmento seu escorrer até suas mãos e então escreva