14 de set de 2011

A PELE

No meu calendário só existe segunda-feira
E até as paredes querem se mudar daqui
Não caibo mais em meu silêncio
As lágrimas não umedecem mais a secura do coração
O fim chegou antes do fim
Dói muito se envolver,  mas eu não consigo parar na pele, quando toco é para sentir a alma
A saliva do desejo era tão doce, mas o gosto foi amargo como fel
Morri como nunca havia morrido antes


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Permita um fragmento seu escorrer até suas mãos e então escreva